27 setembro 2016

Coração


Quantos mistérios esconde um coração? Quantas dores, amores, decepções, desejos secretos? Tanta coisa boa pra dar misturada com tantos medos para esconder. 

26 setembro 2016

Maldita mania






Tentar entender os porquês das coisas dizem ser totalmente inútil, deve ser mesmo, mas a gente tem essa mania, que maldita mania de pensar, pensar, pensar... não era mais fácil deixar pra lá?



11 setembro 2016

Ser útil ou importante

Praia de Genipapu - RN

Qual a sua missão neste mundo?

 Perguntou um amigo ao outro. 

Você já pensou sobre isso? 

O outro respondeu: nunca tive grandes pretensões.

O primeiro continuou dizendo sentir-se desafiado a cada dia, pois por mais que tente ser amoroso e amigo sente que as pessoas só abusam de sua boa vontade. 

As pessoas, infelizmente, acostumam-se a usar uma das outras, parece cruel essa colocação mas eu explico. O seu colega de classe que gosta de curtir e ficar papeando do lado de fora da aula aproxima-se para pedir seu caderno, ele nunca se interessou nem ao menos em dizer bom dia, mas quando as notas apertam e a semana de prova se aproxima ele pensa em o quanto o "CDF" vai ser útil. 

No trabalho a linha é muito mais tênue, porque você quer ser visto e notado, precisa ter o seu esforço reconhecido, mas isso implica em abrir várias demandas, ajudar um e outro, quando você nota, além do seu serviço você também é suporte de informática, telefonista, digitalizador e muito mais, e como você nunca reclamou vira obrigação, afinal, você dá conta e se isso acontece porque não continuar fazendo?

Porque você vai ficando cada vez mais estressado e seu tempo não é suficiente, você se chateia e quando nota vê que todos chegam tranquilamente, conversam um pouco, tomam um café enquanto você, aquele que abraçou o mundo, corre de um lado pro outro. No final das contas ainda descobre que falam de você, se não te inventam defeitos te chamam de intrometido, exibido e outras coisas mais. 

Neste momento você resolve se posicionar diferente, você sofre em não ajudar quem realmente precisa, mas que se acostumou a ter você como bengala, você sabe que aquilo é o melhor a fazer e pra sua surpresa descobre que a importância que você tinha era nenhuma, ou seja, o que eles desejavam eram apenas a sua ajuda, no que tange a vida, histórias engraçadas e outras coisas próprias de quem se importa, pasmem, você está fora. Então, como diz um vídeo famoso do Pe. Fábio de Melo( facilmente encontrado no Youtube) você não era importante, era útil. Quando deixou de fazer o que queriam, te esqueceram no sol. 

A utilidade é muito cansativa, humanamente realiza, é gostoso saber fazer as coisas, mais é perigoso porque a gente acha que o outro gosta da gente, mas não. Só fica quem descobre nosso significado, além da nossa utilidade. Pe. Fábio de Melo. 

Agora penso que missão nada tem a ver com essa pessoas egoístas que só olham o próprio umbigo, missão é algo muito maior, mas que não necessariamente precisa ser complexo. Tem gente que é grande porque é capaz de ouvir, outros por estender a mão. Tem tanta gente simples, com pouco estudo empenhada em acender uma luz. 

O amigo que estava respondendo a pergunta, aquele que não tinha grandes pretensões, pegou essa deixa e concluiu: " Quando a gente inspira uma pessoa a ser melhor, acendemos uma luz, do mesmo modo quando fazemos um elogio sincero, contamos a história de sucesso de alguém, espalhamos exemplos de amor, acreditamos nas pessoas, falamos de Deus, pedimos suas bençãos. Se você for ver são coisas tão simples que qualquer um pode tentar, mas a gente não tenta. 

É muito mais fácil brigar, criticar, condenar... é muito mais fácil desistir das pessoas. Eu não desisto, nunca tive grandes pretensões, mas se puder tocar o coração de alguém terá valido a pena. 

Não sei se a vida é curta ou longa demais pra nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido se não tocamos o coração das pessoas. Muitas vezes basta ser: Braço que envolve, Palavra que conforta, Silêncio que respeita, Alegria que contagia. E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura... Enquanto durar. (Cora Coralina)

* No álbum de viagem de hoje, foto da praia de Genipabu - passeio de buggy obrigatório em Natal. 

05 setembro 2016

Escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho


Ela ainda é jovem, mas já fez muita coisa nesta vida, teve uma época em que fazia jazz: era muito ruim nisso. Da piscina ela gostava, embora não fosse atleta para competir. Aprendeu naquele tempo a dividir o vestiário e tentar entender os relacionamentos. Fez teatro também, tinha o mantra de que um passo para traz era um salto para frente.

Com a adolescência se aventurou em outra cidade, conheceu gente diferente, aprendeu aqui a conviver com os meninos, maioria, estudou eletrônica, jogou truco,  se achou e se perdeu.
Seus grandes amigos eram do grupo de jovens,  aprendeu a falar inglês,  viajou, trabalhou no banco e em alguns lugares inusitados.

Fez cursinho pra concurso,  ioga, fisioterapia pra coluna, ganhou campeonato de poesia,  foi pra Paris sozinha e andou pela Itália com uma amiga, ( até o passeio de gondola), aprendeu a dirigir, andou de banana boat,  disse não pra cantadas cretinas e nunca desistiu dos seus valores de família. 

Foi no Clube de Mulheres a trabalho, participou de shows diversos pela companhia, sempre esteve ao lado dos amigos e até no aniversário de uma rádio marcou presença  ( rave do pagode). Pode dizer que viu a Ivete, o Chiclete com Banana, Roberto Carlos e até a Pitty, mas nada mais contagiante do que gritar respondendo aos agitos do Dinho Ouro Preto.  

Já chorou com a novela, com livros, com o clipe de Eduardo e Monica, um cachorro imortal, com a mudança de residência, com amigos que se foram e com os avós que a vida não trás de volta.
Tem amigos padres, gays,  de esquerda e de direita. Teve  medo dos peixinhos, de altura, mas  não da cachoeira, já passou frio e calor e odeia esse último quando em excesso. 

Aprendeu a cozinhar, adora escrever e ama conhecer lugares novos. Os amigos são almas queridas que somam no dia a dia. Já estudou informática, direito, publicidade, jornalismo, marketing, desenho, espiritualidade e tanta coisa mais.

O engraçado é que mesmo assim a vida te cobra mais.

São tantas possibilidades

Talvez seja a hora de escrever um livro,  plantar uma árvore e ter um filho.

30 agosto 2016

Intuição

As dunas em Natal - RN
Hoje ela acordou inspirada, parecia que algo novo e muito bom aconteceria, não tinha nada planejado, nem marcado, a mente estava no presente, focada em deixar para trás comportamentos os quais apenas boicotavam seu ser e sua evolução como pessoa, tantas teorias e pouca prática, tantos sonhos e pouca ação, porém ao mesmo tempo pensava no quanto isso tudo era necessário. 



Nunca sentiu tanta necessidade de ócio, tudo o que queria era não ver mesmo ninguém, falar sobre nada, um sentimento de preguiça de algumas pessoas e coisas, jurava que não por maldade ou por desejo de exclusão, mas por vontade de estar mesmo mais consigo mesma e em silêncio. 




Acalmar a mente não é fácil, ela( a mente) não para nunca, fantasia, pensa mil coisas ao mesmo tempo e não consegue se ouvir, difícil dizer por que, explicar o que acontece, mas de férias, seria bom que esse silêncio existisse, mas não aconteceu. 



As férias fizeram a mente parar com as preocupações, desestressar, mas pensar em tanta coisa que estava no rol de coisas pra fazer, tantos livros para ler, revistas empilhadas, amigos com os quais não encontrava, histórias  e histórias. Inventou de assistir uma série, entrou no Netflix e escolheu uma, sentiu-se de novo com 20 anos e a mente acalmou, ficou ali, naquele momento, curtindo-se por um tempo. 



O mais engraçado é não ter encontrado as respostas que procurava, na verdade desconfiou que estivesse nesse silêncio o qual busca e no abandono da necessidade de fazer tudo certo, sempre buscou fazer tudo certinho demais, não pensava em sair por aí e se transformar numa dama errante, mas se preocupar menos, se permitir mais e principalmente se cobrar menos, sim é permitido errar, sim é permitido não agir com perfeição, podia curtir e rir como todo mundo e não, não vai mais focar em ver o lado ruim das coisas somente para não sofrer caso o bom não venha. 



Não irá brigar com o que não tem solução, irá trabalhar por si, relaxar a mente, essa mesma, que descobriu não ser tão aberta quanto imaginava. 



As metas para um novo ciclo de trabalho são muitas, como sempre, mas desconfia que sejam muito, mais muito mais simplórias, não menos importantes, do que as outras



Rádio Viva Zen

Respeite as suas vontades, faça uma meditação pela manhã, encerre o ciclo, avalie os últimos seis meses, desapegue, questione as suas crenças, expanda as suas visões, aproveite o impulso de ação, mas não siga a multidão – equilibre a sua vontade com as imposições culturais.

Pense em serviço, fraternidade, e a possibilidade de encontrar sua turma, sua tribo.

Siga os insights, pode ser um dia de milagres e mudanças rápidas e inesperadas, esteja preparado para o melhor, acredite no melhor e trabalhe apenas para o melhor. O dedo de Deus está apontando novas direções e quebrando obstáculos. 
 Leia o texto completo: Lua Cheia em Aquário


Dalla Blog
Esse clima de excentricidade pode nos ajudar a buscar novas alternativas para a vida. Com mente e coração leves, abertos, podemos nos conectar a novas correntes de pensamento, cultivar mais coragem para nos expressarmos de forma original e criativa. Compartilharmos nossos talentos únicos e individuais com espíritos afins para o sucesso do grupo. Mas para obtermos sucesso, devemos estar também atentos às necessidades dos outros. O aprendizado do momento é alinhar o desejo de fazer diferente, de cultivar independência e liberdade, com os compromissos assumidos. Alinhar as necessidades individuais (Leão) com as necessidades do grupo, da equipe, dos amigos, do coletivo (Aquário). Alinhar os impulsos de vaidade com a humildade, união do projeto em conjunto. 

Leia o texto completo: Dicas astrais 

Texto escrito em 18/08/2016

26 agosto 2016

Vírgulas

Caminho para o Forte dos Reis Magos - Natal - RN
Se é verdade que precisamos de pontos finais, também é verdade que algumas coisas na vida pedem apenas vírgulas, uma pequena pausa para colocar as ideias no lugar.

A vírgula é um convite para ir mais devagar, ela te dá a chance de pensar se para e conclui ou se continua, pode ser também hora de listar grandes acontecimentos ou coisas que precisam ser esquecidas.

Um vírgula no lugar errado muda todo o sentido, assim também é na vida, se você fica estático quando precisa correr ou se vai depressa demais quando é hora de observar, você não perceberá qual é o seu momento. Mudar o sentido das coisas às vezes é necessário, principalmente se algo dentro de você clama por isso e você nem percebe, assim fica mudando as vírgulas de lugar sem perceber o que está fazendo.

Algumas pessoas só usam pontos: se de interrogação é porque não confiam, não se entregam, não se permitem. Se de exclamação vivem tão intensamente que não param, porém as mais tristes e que mais me atormentam são aquelas que só usam pontos finais, seja para encerrar pequenos períodos ou grandes ciclos, mas também são cheias de certezas, seu dia a dia não tem reticências, nem vírgulas, elas simplesmente são e nada se pode fazer se elas não quiserem mudar o jeito de escrever sua vida.Tantos sinais e o ser humano é uma criatura tão complexa que se atormenta em escolher um, mal sabe que um bom texto precisa de todos eles. O que seriam das eternas vírgulas se não pudéssemos por um ponto final? Todavia, quão duro é um ponto final se temos tantas vírgulas pra contar?


Todo mundo merece um ponto final para aliviar o peso das vírgulas
( Márcio Rodrigues - Blog Um travesseiro para dois)

18 de Agosto/2016 

22 agosto 2016

Trilha sonora - Happy

Definitivamente meu repertório musical é o mesmo desde que eu nasci, já que assumidamente tenho problemas com nomes e letras de música, então, para aprender uma música nova por semana( pelo menos) vou pedir ajuda das pessoas e dividir o que encontrar, para começar instalei o aplicativo Spotfy e a primeira música que ele tocou pra mim foi exatamente Happy, um bom exemplo de uma música conhecida, mas que eu não sabia o nome e nem quem cantava( risos).

Boa pedida pra começar a brincadeira! A música não podia ter energia melhor.


Happy - Pharrel Williams 
( https://www.vagalume.com.br/pharrell-williams/happy.html) 

It might seem crazy what I'm about to say
Sunshine she's here, you can take a break
I'm a hot air balloon that could go to space
With the air, like I don't care baby by the way

Because I'm happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I'm happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I'm happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I'm happy
Clap along if you feel like that's what you wanna do

Here come bad news talking this and that
Yeah, well, gimme all you got and don't hold back
Yeah, well I should probably warn you I'll be just fine
Yeah, no offense to you don't waste your time
Here's why

Because I'm happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I'm happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I'm happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I'm happy
Clap along if you feel like that's what you wanna do

(Happy) bring me down
Can't nothing (happy) bring me down
My level's too high (happy) to bring me down
Can't nothing (happy) bring me down
I said
(Happy, happy, happy) bring me down
Can't nothing bring me down
My level's too high (happy) to bring me down
Can't nothing bring me down
I said

Because I'm happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I'm happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I'm happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I'm happy
Clap along if you feel like that's what you wanna do

Because I'm happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I'm happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I'm happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I'm happy
Clap along if you feel like that's what you wanna do

(Happy) bring me down
Can't nothing (happy) bring me down
My level's too high (happy) to bring me down
Can't nothing (happy) bring me down
I said

Because I'm happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I'm happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I'm happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I'm happy
Clap along if you feel like that's what you wanna do

Because I'm happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I'm happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I'm happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I'm happy
Clap along if you feel like that's what you wanna do

C'mon

19 agosto 2016

Olimpíadas 2016 - Copacabana, Vôlei de praia e a torcida


Estar nos Jogos Olímpicos já era sensacional, uma sensação única. Observar as pessoas com diferentes culturas e idiomas, todas juntas, ali misturadas e parte do mesmo espetáculo da Terra. Tudo bem pra você, seu chato que está me chamando de alienada e que gostaria de explodir tudo por conta da forma como nosso país conduz as coisas, mas eu acredito no poder do momento, mesmo quem não pode estar nos jogos pode lucrar com algo, pelo menos ali no Rio, eu concordo, nem seria besta em discordar de que um grande dinheiro foi gasto e um outro tanto desviado, que muito poderia ter sido feito e blá, blá, blá...

Tudo isso era pra ter sido dito, protestado e argumentado antes, com os jogos rolando só nos resta aproveitar e torcer para que tudo seja lindo e inesquecível e assim foi, desde a recuperação de Diego Hipólito, as medalhas daquelas unanimidades e o brilho da torcida.

Cerveja? Só se pegar fila grande
... e era na torcida que queria chegar, principalmente naquela em que eu fiz parte. Quando comprei o ingresso não sabia quem jogaria e dei muita sorte em ver 2 duplas brasileiras, primeiro Alison e Bruno contra os espanhóis, um jogo vivo, empolgante onde cantamos todas músicas do vôlei: Ace, block moster, vibramos com os ataques decisivos e fizemos ola, cantamos "sou brasileiro com muito orgulho" e Ivete Sangalo com "ôôôô - alegria! Alegria!

O sol queimava nas costas e era preciso ficar abraçada na canga o tempo todo, foi tão bom que acabou rápido, que tristeza! ( risos), cada ingresso dava direito a 2 jogos e o outro era Canada x Canada e a torcida brasileira gritava o que? Canada, lógico. E brincavam, já que as 4 jogadoras eram altas e loiras, curtição do momento.

Do outro lado - Arena de Copacabana lotada
Na parte da tarde, o jogo seria Pedro Solberg x Evandro, mas esses não tiveram força e concentração para seguir, jogaram os 3 sets, mas se complicaram muito, e a torcida? Cantou e incentivou o tempo todo.

No outro jogo vimos, as já campeãs olímpicas, as alemãs Laura Ludwig e Kira Wlakenhorst vencerem as suíças.

Ficou ainda o gostinho de assistir Agatha e Barbara ( que brilharam muito nestes jogos e ganharam as medalhas de prata) e Larissa/ Talita( deixando uma tristeza no coração de quem curte o vôlei de praia), mas não dava pra ver tudo em um dia.

Saldo positivo.

Como e quando voltamos? Lembram que a gente tinha chegado às 5h45, pegamos o ônibus das 22h de volta, as costas já estavam reclamando, as pernas não respondiam mais, descobrimos que não temos 15 anos como achávamos, dormimos tão profundo no ônibus que nem vimos as paradas, apenas acordamos em Santos, mas faríamos tudo de novo.